Arquivo de setembro \26\UTC 2009

26
set
09

Richard Dawkins – O Maior Espetáculo da Terra

Criacionistas, agora eles estão vindo pegar suas crianças

As pessoas que rejeitam a teoria da evolução deveriam ser colocadas lado a lado com aquelas que negam o holocausto, declara o autor do novo e controverso livro.

Richard Dawkins

Richard Dawkins

 

Richard Dawkins

Traduzido por Vinícius Morais Simões: https://vsimoes.wordpress.com

Imagine que você é um professor de História Romana ou de Latim, ansioso para transmitir o seu entusiasmo pela Antiguidade Clássica – pelas elegias de Ovídio e pelas odes de Horácio, pela vigorosa economia da gramática latina como exibida na oratória de Cícero, as belezas estratégicas das Guerras Púnicas, o gênio estratégico de Júlio César e os excessos voluptuosos dos últimos imperadores. Este seria um grande empreendimento que tomaria muito tempo, concentração e dedicação. Ainda assim você encontraria o seu tempo continuamente prejudicado, a atenção da sua classe distraída, pelos latidos de uma matilha de ignoramuses (que como professor de latim você entenderia que seria o jeito certo de declinar ignorami) [1] que, com apoio político e especialmente financeiro, espalham aos quatro ventos que os romanos nunca existiram. Que nunca houve um Império Romano. Que o mundo inteiro veio a existir apenas um pouco antes do tempo de que temos memória. Que o espanhol, o italiano, o francês, o português, o catalão, o ocittânico e o romanche, todas essas línguas e os dialetos que as constituem surgiram espontânea e separadamente, e que nada devem a um ancestral chamado latim.

Ao invés de devotar toda a sua atenção para a nobre vocação de ser um erudito e professor, você é obrigado a investir parte do seu tempo e energia para a retrógrada defesa do pressuposto de que os romanos realmente existiram: uma defesa contra a exibição de um preconceito ignóbil que poderia fazê-lo chorar caso você não estivesse tão ocupado lutando contra ele.

Continue lendo ‘Richard Dawkins – O Maior Espetáculo da Terra’

15
set
09

O Currículo das Seis Lições

De John Taylor Gatto, o Professor do Ano do estado de Nova Iorque de 1991

Traduzido por Vinícius Morais Simões https://vsimoes.wordpress.com

Por favor me chame de Mr Gatto. Há vinte e seis anos atrás, não tendo encontrado nada melhor para fazer, eu decidi trabalhar como professor. Meu diploma me dá licença para trabalhar como um professor de Língua e Literatura Inglesa, mas isso na verdade não tem nada a ver com o que eu realmente faço. Na verdade eu ensino sobre como as escolas funcionam, sendo que inclusive ganho prêmios fazendo isso.

Ensinar pode significar muitas coisas diferentes, mas existem seis regras pedagógicas que são comuns desde o Harlem até Hollywood. Você paga por essas lições por mais maneiras do que você imagina, portanto é bem possível que você reconheça que lições são essas:

A primeira lição que eu ensino é: “Mantenha-se à classe à qual você pertence”. Eu não sei quem é a pessoa que decide qual aluno pertence a qual classe mas também não tenho nada a ver com isso. As crianças recebem números de forma que se qualquer uma resolver fugir poderá ser devolvida para a sua respectiva classe. Através dos anos a variedade de formas que as crianças podem ser classificadas e enumeradas aumentou dramaticamente, de forma inclusive a tornar difícil perceber o ser humano por detrás da montanha de números que cada estudante carrega. Classificar e enumerar crianças é um negócio grande e lucrativo, apesar de não ser muito claro o objetivo por detrás de tal negócio.

Continue lendo ‘O Currículo das Seis Lições’