26
set
09

Richard Dawkins – O Maior Espetáculo da Terra

Criacionistas, agora eles estão vindo pegar suas crianças

As pessoas que rejeitam a teoria da evolução deveriam ser colocadas lado a lado com aquelas que negam o holocausto, declara o autor do novo e controverso livro.

Richard Dawkins

Richard Dawkins

 

Richard Dawkins

Traduzido por Vinícius Morais Simões: https://vsimoes.wordpress.com

Imagine que você é um professor de História Romana ou de Latim, ansioso para transmitir o seu entusiasmo pela Antiguidade Clássica – pelas elegias de Ovídio e pelas odes de Horácio, pela vigorosa economia da gramática latina como exibida na oratória de Cícero, as belezas estratégicas das Guerras Púnicas, o gênio estratégico de Júlio César e os excessos voluptuosos dos últimos imperadores. Este seria um grande empreendimento que tomaria muito tempo, concentração e dedicação. Ainda assim você encontraria o seu tempo continuamente prejudicado, a atenção da sua classe distraída, pelos latidos de uma matilha de ignoramuses (que como professor de latim você entenderia que seria o jeito certo de declinar ignorami) [1] que, com apoio político e especialmente financeiro, espalham aos quatro ventos que os romanos nunca existiram. Que nunca houve um Império Romano. Que o mundo inteiro veio a existir apenas um pouco antes do tempo de que temos memória. Que o espanhol, o italiano, o francês, o português, o catalão, o ocittânico e o romanche, todas essas línguas e os dialetos que as constituem surgiram espontânea e separadamente, e que nada devem a um ancestral chamado latim.

Ao invés de devotar toda a sua atenção para a nobre vocação de ser um erudito e professor, você é obrigado a investir parte do seu tempo e energia para a retrógrada defesa do pressuposto de que os romanos realmente existiram: uma defesa contra a exibição de um preconceito ignóbil que poderia fazê-lo chorar caso você não estivesse tão ocupado lutando contra ele.

Se a minha analogia sobre o Professor de Latim lhe pareceu por demais irreal, aqui está um exemplo mais realista. Imagine-se um professor de história mais recente, e que as suas lições sobre a Europa do Século XX são boicotadas, impedidas ou interrompidas de outra forma por grupos bem organizados e bem financiados assim como grupos políticos musculosos de negadores do holocausto. Diferente dos meus improváveis negadores do Império Romano, os negadores do Holocausto realmente existem. Eles se expõem razoavelmente, são superficialmente preparados e adeptos do aprendizado aparente[2]. Eles recebem apoio do presidente de pelo menos um grande estado atual, e contam com o apoio de pelo menos um bispo da Igreja Católica. Imagine que, como professor de História da Europa, você é continuamente encarado com exigências beligerantes tais como a de “ensinar a controvérsia” e a dar “tempos iguais” para a “teoria alternativa” de que o Holocausto nunca aconteceu e que foi inventado por um bando de farsários sionistas.

Os adeptos da moda do relativismo intelectual seguem o rastro afirmando que não existe verdade absoluta: que acreditar que o Holocausto aconteceu ou não é uma questão de crença pessoal, que ambos os pontos de vista são igualmente válidos e, portanto, devem ser igualmente “respeitados”.

O fardo que muitos professores de ciência têm que carregar hoje em dia não é necessariamente mais leve. Quando eles tentam expor o princípio fundamental e norteador da biologia, quando tentam honestamente colocar o mundo dos seres vivos em seu contexto histórico – que é o contexto da evolução; quando exploram e explicam a verdadeira natureza da própria vida, eles são assolados e impedidos, importunados e achincalhados, e até ameaçados com a perda de seus empregos. No mínimo têm o seu tempo desperdiçado todas as vezes. É comum eles receberem cartas ameaçadoras de pais e terem de suportar os gracejos sarcásticos assim como as atitudes resilientes dos seus alunos vítimas de lavagem cerebral. Eles são providos com o fornecimento de livros-texto aprovados pelo Estado nos quais a palavra “evolução” foi sistematicamente expurgada, ou esvaziadas em “mudança através do tempo”. Há um tempo atrás nós nos sentimos tentados a rir um bocado disso como se fosse um fenômeno peculiarmente estadunidense. Agora os professores da Grã Bretanha e da Europa enfrentam os mesmos problemas, em parte por causa da influência estadunidense, mas mais particularmente por causa do crescimento da presença islâmica nas salas de aula – em cumplicidade com o comprometimento oficial com a “diversidade cultural” e o terror de ser visto como racista.

Frequente e pertinentemente tem se afirmado por aí que padres e teólogos não têm desavenças com a teoria da evolução e que, em muitos casos, efetivamente apóiam cientistas que tratam desse assunto. Isso geralmente é verdade, como tive a oportunidade de testemunhar em uma experiência positiva de colaboração com o antigo Bispo de Oxford, agora conhecido como Lord Harries, em duas diferentes ocasiões. Em 2004 nós escrevemos um artigo conjunto no The Sunday Times cujas palavras de conclusão foram: “Hoje em dia não há o que se debater. A Evolução é um fato e, de uma perspectiva cristã, um dos maiores trabalhos de Deus”. A última sentença foi escrita por Richard Harries, mas nós concordamos a respeito de todo o resto do artigo. Dois anos antes, o Bispo Harries e eu tínhamos redigido uma carta conjunto endereçada ao Primeiro Ministro da Inglaterra, Tony Blair.

[Na referida carta, cientistas e religiosos eminentes, incluindo sete bispos, expressaram suas preocupações relativas ao ensino da evolução e o seu alarme relativo à exposição desse ensino como uma “questão de fé” na Universidade Tecnológica da Cidade de Emmanuel, em Gateshead.] O Bispo Harries e eu elaboramos essa carta às pressas. Se não me falha a memória, os signatários da carta constituíam 100% das pessoas às quais pedimos apoio. Não houve desacordo tanto por parte dos cientistas quanto dos bispos.

O Arcebispo de Canterbury não possui desacordos com a evolução, assim como o Papa também não possui (tirando ou pondo a estranha hesitação a respeito do instante paleológico onde a alma humana teria sido inserida), sequer possuem os educados padres e professores de teologia. O Maior Espetáculo da Terra é um livro que trata da evidência positiva de que a evolução é um fato. Não tem a pretensão de ser um livro anti-religião. Eu já fiz isso, essa é a estampa de outra camiseta, e não é a hora nem o lugar para vesti-la novamente. Os Bispos e Teólogos que atenderam ao chamado das evidências da evolução na verdade desistiram de lutar contra elas. Alguns deles podem fazer isso de maneira relutante, alguns, como Richard Harries, entusiasticamente, mas todos exceto os lamentavelmente desinformados são obrigados a aceitar a existência da evolução.

Eles podem pensar que Deus tem sua parte nisso ao dar o pontapé inicial, e talvez tenha retirado sua mão ao invés de guiar seu progresso futuro. Eles provavelmente pensam que em primeiro lugar Deus criou o universo e, depois disso, solenemente celebrou o seu nascimento instituindo um conjunto de leis e constantes físicas devidamente calculadas para preencher a algum propósito inescrutável no qual nós eventualmente representamos algum papel.

O que nós não devemos fazer é complacentemente assumir que, por que bispos e teólogos devidamente educados aceitam a teoria da evolução, assim o fazem suas congregações. Inclusive amplas pesquisas de opinião provam justamente o contrário. Mais de 40% dos americanos não aceitam a afirmação de que os humanos podem ter evoluído a partir de outros animais e pensam que nós – e por conseqüência toda a vida – fomos criados por Deus dentro dos últimos 10.000 anos. Essa estatística não é tão alta na Grã Bretanha, mas ainda assim é preocupantemente alta. E deveria ser tão preocupante às igrejas quanto o é para cientistas. Este livro é simplesmente necessário. Eu deveria usar o nome “negacionistas” [3] para me referir às pessoas que negam a evolução: aqueles que acreditam que a idade do mundo pode ser medida em apenas milhares de anos, ao invés de bilhões de anos, assim como quem acredita que os humanos viveram à mesma época dos dinossauros.

Para enfatizar, essas pessoas constituem mais de 40% da população estadunidense. A estatística equivalente possui índices maiores em alguns países, menores em outros, mas 40% é uma boa média e eu posso porventura me referir a esses negacionistas como membros do “time dos quarenta por cento”.

Voltando aos iluminados bispos e teólogos, seria interessante se eles também se esforçassem um pouco para combater todas as afirmações nonsense e pseudo-científicas que eles mesmos reprovam. Todos os bons religiosos, ao mesmo tempo em que concordam que a teoria da evolução é verdadeira e que Adão e Eva na verdade nunca existiram, alegremente vão aos seus púlpitos realizar alguma exposição moral ou intelectual a respeito das histórias de Adão e Eva em seus sermões mas se esquecem de mencionar, vejam vocês, que Adão e Eva na verdade nunca existiram! Quando são desafiados, eles irão protestar dizendo que a passagem possui uma conotação puramente “simbólica”, talvez relativa a um “pecado original”, ou relativa às “virtudes da inocência”. Eles poderiam timidamente acrescentar que, obviamente, nenhuma pessoa seria tão tola a ponto de interpretar literalmente suas palavras. Mas será que suas congregações sabem disso? Como pode a pessoa do banco da igreja, ou do tapete de orações saber quais partes das escrituras ela deve interpretar literalmente e quais deve interpretar metaforicamente? Será que é realmente fácil para um fiel adivinhar isso? Em muitos casos a resposta é simplesmente não, e qualquer pessoa pode ser perdoada por se sentir confusa quanto a isso.

Pense nisso, Bispo. Seja cauteloso, Vigário. Vocês estão brincando com dinamite, fazendo brincadeiras com um mal entendido que está prestes a se revelar – algumas pessoas diriam que obrigatoriamente iriam acontecer a não ser que fossem previamente impedidas. Não deveriam vocês tomarem maiores cuidados, ao falar em público, para o seu sim ser entendido como sim e o seu não como não? Para não cair em condenação, não deveriam vocês mudar suas trajetórias para esclarecer o já amplamente divulgado mal entendido e emprestar apoio entusiástico e ativo aos cientistas e professores de ciências? Os próprios negacionistas fazem parte do grupo de pessoas que estou tentando alcançar. Mas, talvez mais importante, eu tenho por objetivo dar instrumentos a aqueles que não são mas conhecem negacionistas – talvez membros da sua própria família ou igreja – e que se encontram insuficientemente preparados para discutir a questão.

A Evolução das Espécies é um fato. Além do benefício da dúvida razoável, além do benefício da dúvida séria, além da dúvida sã, inteligente e informada a evolução é um fato. A evidência para a evolução é pelo menos tão forte quanto as evidências para o Holocausto, mesmo que consideremos testemunhas oculares do Holocausto. É uma verdade cristalina que nós somos primos dos chimpanzés, primos algo mais distantes dos macacos, primos ainda mais distantes dos aardvarks[4] e peixes-boi, e primos ainda mais distantes das bananas e dos nabos … continue a lista como desejar. Isso não precisava ser verdade. Não é auto evidente, tautológica ou obviamente verdadeiro, e houve um tempo onde a maioria das pessoas, mesmo as pessoas mais educadas, pensavam que não era. Isso não precisava ser verdade, mas é. Nós sabemos disso por que um rio transbordante de evidências assim o diz. A Evolução é um fato, e o [meu] livro irá demonstrá-lo. Nenhum cientista que tenha o mínimo de reputação contesta essa afirmação, e nenhum leitor que faça uma leitura imparcial irá fechar o livro duvidando dela.

Por que então falamos da “Teoria Darwiniana da Evolução”, dando, portanto, um conforto espúrio para a persuasão criacionista – como os negacionistas, ou membros do “time dos quarenta por cento” – que pensam que a palavra “teoria” é uma concessão, entregando lhes algum tipo de presente ou vitória? A evolução é uma teoria da mesma forma que o heliocentrismo o é. Em nenhum dos casos a palavra “apenas” deveria ser usada como na sentença “apenas uma teoria”. Para aqueles que afirmam que a evolução nunca foi “provada” é bom saber que a prova é uma noção que os próprios cientistas tratam com desconfiança.

Inclusive alguns filósofos influentes nos dizem que na ciência não podemos provar coisa alguma.

Matemáticos podem provar algumas coisas – de acordo com uma visão bastante estrita, eles são as únicas pessoas que podem – mas o melhor que cientistas podem fazer é fracassarem na tentativa de negar hipóteses enquanto chamam a atenção para o fato de quão arduamente tentaram fazer isso. Até a não disputada teoria de que a Lua é menor do que o Sol não pode, para a satisfação de certos tipos de filósofos, ser provada da mesma forma que, por exemplo, o Teorema Pitagórico pode ser provado. Mas o acréscimo massivo de evidências apóiam a teoria tão bem que negar a ela o status de “fato científico” parece ridículo a todas as pessoas com exceção dos pedantes. O mesmo é verdade para a evolução. A evolução é um fato da mesma forma que é um fato que Paris se situa no hemisfério norte. Apesar das navalhas lógicas[5] dominarem a cidade, algumas teorias estão além da dúvida sensível, e nós as chamamos de fatos. Quanto mais enérgica e meticulosamente você tentar refutar uma teoria, se ela sobrevive ao assalto, mais ela se aproxima daquilo que o senso comum alegremente chama de fato.

Nós somos como detetives que chegam à cena do crime momentos depois do mesmo ter sido cometido. As ações do assassino simplesmente se perderam no passado.

O detetive não tem esperança alguma de testemunhar o verdadeiro crime com seus próprios olhos. O que o detetive realmente tem são vestígios que perduram, e é um bom negócio acreditar nesses vestígios. Existem as pegadas, as digitais (e hoje em dia também as assinaturas genéticas), as marcas de sangue, cartas, diários. O mundo é exatamente da forma que deveria ser caso essa e essa história, e não aquela e aquela, tivessem nos trazido até o presente.

A evolução é um fato inescapável, e nós deveríamos celebrar o seu surpreendente poder, simplicidade e beleza. A evolução está dentro de nós, ao nosso redor, e seus trabalhos estão gravados nas pedras das eras passadas. Dado isso, em muitos casos, nós não vivemos o suficiente para assistir à evolução acontecendo diante de nossos olhos, nós devemos revisitar a metáfora do detetive que chega à cena do crime depois do ocorrido e tirando conclusões. Os instrumentos de análise que levam os cientistas a concluir que a evolução é um fato são de longe mais numerosos, mais convincentes, mais incontroversos do que o relato de qualquer testemunha ocular que já foi usado em qualquer tribunal, em qualquer século, para a comprovação de culpa em qualquer crime. Provas além da dúvida razoável? Dúvida razoável? Esse é o maior eufemismo de todos os tempos.

© Richard Dawkins 2009

Retirado do livro O Maior Espetáculo da Terra, a ser publicado na Inglaterra pela editora Bantam Press no dia 10 de Setembro pelo preço de 20 libras.

Leia também A verdade que os cães revelam acerca da evolução retirado do segundo capítulo do livro O Maior Espetáculo da Terra.


[1] Que significa ignorantes.

[2] No original adept at seeming learned

[3] Como o vocábulo já existente relativo a pessoas que negam determinados fatos históricos N. do T.

[4] O aardvark (nome científico Orycteropus afer) é um mamífero africano, único representante vivo da ordem Tubulidendata, da família Orycteropodidae e do seu gênero. Fonte: Wikipédia.

[5] Uma passagem retirada de algum livro do poeta inglês W. B. Yeats que aparece no original como logic choppers. Na versão original do texto o autor declara não ser essa uma das passagens prediletas de Yeats mas ainda assim apropriada à situação. N do T.

Anúncios

16 Responses to “Richard Dawkins – O Maior Espetáculo da Terra”


  1. outubro 16, 2009 às 11:40 am

    “Como pode a pessoa do banco da igreja, ou do tapete de orações saber quais partes das escrituras ela deve interpretar literalmente e quais deve interpretar metaforicamente?”
    Na igreja que frequento é ensinada a matéria de Hermeneutica que é a Ciência da Interpretação de Documentos Antigos e, em especial, a Bíblia. Existem regras de Hermeneutica que dizem claramente quando se deve interpretar literalmente e quando não se deve. A regra é simplesmente essa: “O texto deve a priori ser interpretado literalmente, salvo os casos em que o texto ou contexo o impeçam. Nesses casos deve-se interpretar metafóricamente.” Utilizando essa regra para interpretar o capítulo 1 de Gênesis teríamos de fazer a seguinte pergunta: “Existe algum impedimento para entendermos que o mundo foi criado em uma semana literal?” A resposta é: Se a Evolução fosse uma Lei Científica nós entenderíamos que Moisés quando escreveu o capítulo 1 de Gênesis falava de uma semana metafórica que poderia ser interpretada como sendo as eras geológicas necessárias para que os organismos se desenvolvessem. Mas a Evolução é apenas uma Teoria! É apenas uma tentativa de explicação! Não é um fato comprovado! Ou seja,como disse Frank Press em seu livro Para Entender a Terra, página 26, “Embora a força explanatória e preditiva de uma Teoria tenha sido demonstrada, ela nunca pode ser considerada definitivamente provada.” E falando sobre a origen do sistema solar ele diz, página 30, “Esse modelo-padrão da formação do sistema solar deveria ser considerado somente pelo que é: uma tentativa de explicação que muitos cientistas pensam estar mais bem ajustada aos fatos conhecidos.” Dawkins sabe disso e mesmo assim insiste em defender a evolução como sendo um fato, o que definitivamente não é. Isso é fanatismo ateísta. Ele também comparou os que negam a evolução com os que negam o holocausto. O holocausto é um fato. A Evolução não é! E Hitler fez isso. Ele tentou convencer o povo alemão de suas Teorias sobre a superioridade da raça Ariana. O povo acreditou em uma teoria como sendo um fato. O partido nazista ganhou o poder e… nós já sabemos o fim disso tudo. Dalkins não estaria fazendo a mesma coisa? Já leu sobre a teoria Mimética de Dawkins. Ele afirmou em entrevista a revista Veja que a religião era um vírus da mente. Ainda tem gente de diz que ele é lúcido!

  2. outubro 25, 2009 às 7:06 pm

    Meu caro Alissom . Você é jovem ,mas incalto. Já foi contaminado pelo vírus. Provavelmente nasceu infectado. É uma pena

  3. 3 allan
    outubro 26, 2009 às 9:59 am

    Meu caro Alissom . Você é jovem ,mas incalto. Já foi contaminado pelo vírus. Provavelmente nasceu infectado. É uma pena [2]

  4. 4 Douglas Relva
    outubro 26, 2009 às 2:24 pm

    Alisson, voce parece ser uma pessoa instruida mas, com todo o respeito, tire o seu “tapa-olho”, acenda a luz da sua inteligencia e deixe de ser “bitolado”. Uma pessoa realmente esclarecida não pensa como você!

  5. 5 Assir Paiva
    outubro 28, 2009 às 10:59 am

    Caríssimo Alan

    Seu conceito sobre o significado da palavra TEORIA está completamente equivocado. Faça o teste: jogue uma maça para cima e veja o que acontece. Ou você aceita a TEORIA de Newton ou descarta. Ora tenho certeza que na escola em que você estudou você deve ter feito inúmeros experimentos comprovando a TEORIA de Newton, e como outras tantas. Stein e sua TEORIA da Relatividade… Enfim a palavra TEORIA NÃO tem o significado que você quer dar INFELIZMENTE para vocês e FELIZMENTE para a Humanidade.

    “Embora a força explanatória e preditiva de uma Teoria tenha sido demonstrada, ela nunca pode ser considerada definitivamente provada.” O que comentar de uma frase dessa ????

    Olha você parece ser um cara esperto, estudioso. Não aceite o que te falam mais o que te provam. Leia o livro, reflita.

    Boa Sorte

  6. 6 Rodrigo
    novembro 9, 2009 às 11:05 am

    Caro Allison e Assir,

    Sugiro que leiam Karl Popper, para maiores esclarecimentos do que é uma teoria científica.
    Uma teoria científica consiste de hipóteses testadas, as quais podem ser comprovadas ou não, fazendo com q a teoria seja abandona ou modificada como o decorrer do tempo. No caso da Teoria Evolutiva, já foi modificada sim, mas nunca refutada, pelo contrário. Cada vez mais fósseis são encontrados, a biologia molecular, assim como a genética vieram para confirmar as hipóteses de Darwin.
    Sugiro que leiam sobre a “Teoria Sintética da Evolução”, para se atualizarem sobre o assunto antes de criticarem sem o embasamento necessário.

    Boa sorte.

  7. 7 Leon
    dezembro 3, 2009 às 5:25 pm

    Mas estes fanáticos sempre repetem os mesmos clichês,é por isso que um debate com alguém mais conhecimentos que você é mais produtivo e instigante, já com estas pessoas é muito enfadonho…
    Ter que explicar conceitos básicos é muito cansativo. se alguém não sabe a diferença entre teoria, hipótese, e fato científico não tem debate possível.

  8. 8 Guilherme
    abril 29, 2010 às 1:22 pm

    Respondam-me,
    Porque que no próprio livro “Origem das Espécies”, página 192, Darwin diz ser burrice em outras palavras, explicar a formação ou o funcionamento do Olho Complerto do ser humano???
    Ou então a coagulação apartir da evolução???se demoramos milhões de anos para nos formarmos como seres completos ou ainda imcompletos, a não ser que os Darwinistas não saibam como funciona a coagulação…e o Tal do Elo Perdido que até hoje continua mais perdido???
    Todos criticaram o Alisson, chegaram a dizer que ele até era estudioso e novo, Mas foi o único que colocou evidências para comprovar a “Teoria”, e o resto o que fez???
    Críticas, para mim está mais que na cara, que evolucionistas como Dawkins que diz ser aTeu, esquecem que foi por causa do próprio cristianismo que acreditava no criacionismo, que deu a oportunidade dele estar escrevendo o que escreve hoje, porque não vi nenhum Ateu ir contra a “Santa Inquisição”, o Darwinistas também não sabem oque é a Santa Inquisição ou então como Dawkins falou, negar o evolucionismo é como negar o Holocausto.
    Todos os “negacionistas” do criacionismo como Dawkins, são pessoas bitoladas, que nunca leram uma bíblia ou estudaram o criacionismo, apenas sabem perguntar, Da onde venho Deus???e nada mais.
    Uma coisa todos nós temos em comun, tanto Evolucionistas quanto Criacionistas, em algum momento da nossa crença das nossas teorias é preciso fé, se Dawkins negar isso é porque nem ele acredita no que fala, ou então ele é cego e nem sabe.
    Quando os livros de Biologia começarem a colocar Evolução e Criacionismo como opção de escolha para alunos e pararem de manipular as crianças ou melhor dizendo, fazendo lavagem cerebral em alunos que com suas mentes férteis aceitam tudo o que estão dando de “alimento” pra eles, ai sim os Darwinistas estarão dando um grande salto, e mostrando que realmente acreditam na evolução, porque omitir isso dos livros, demonstra a falta de confiança e de medo, que o criacionismo possa desmentir essas teorias, que Dawkins usou tantos vezes tentando impor ao leitor,”a evolução é um fato”,”a evolução é um fato”,…

    Só para terminar sendo que nem comecei, porque acho que todos que criticaram o Alisson não sabem do que é feito a ciência, e nem irei explicar, busquem conhecimento.

    • 9 Juliano
      junho 18, 2010 às 9:52 am

      Guilherme,

      Desculpe-me, mas vejo que você está tão desinformado quanto Alisson. Logo na sua primeira frase demonstra isso. Darwin não disse que era impossível a evolução do olho. Você está apenas citando incompletamente o texto dele. Veja só o que o livro Origem das Espécies diz na parte que você menciona (coloco em maiúsculo os trechos importantes):

      “Supor que o olho com todos os seus dispositivos para ajustar o foco a distâncias diferentes, para admitir quantidades de luz diferentes, e para a correção de aberração esférica e cromática, podia ter sido formado pela seleção natural parece, confesso livremente, absurdo no mais alto grau. Quando foi dito pela primeira vez que o sol estava parado e o mundo girava à sua volta, o senso comum da humanidade declarou que essa doutrina era falsa; mas conforme todos os filósofos sabem, em ciência não se pode confiar no velho lema Vox populi, vox Dei. A razão diz-me que se for possível mostrar que existem numerosas gradações desde um olho simples e imperfeito até um olho complexo e perfeito, cada gradação sendo útil para o seu possuidor, como CERTAMENTE É O CASO; se, além disso, o olho alguma vez variar e as variações forem herdadas, como certamente TAMBÉM É O CASO; e se tais variações forem úteis para qualquer animal sob condições de vida em mudança, então a dificuldade em acreditar que UM OLHO PERFEITO E COMPLEXO PODIA SER FORMADO POR SELEÇÃO NATURAL, embora insuperável pela nossa imaginação, NÃO DEVIA SER CONSIDERADA COMO SUBVERSIVA DA TEORIA.”

      Quanto aos elos intermediários, existem em abundância. Basta se informar um pouco mais sobre o caso.

      Não fique divulgando informações sem conhecimento de caso, por favor.

      abraços,
      Juliano.

  9. 10 Walter H. Diesel
    agosto 2, 2010 às 1:34 am

    A despeito da hermenêutica bíblica e suas regras gerais, brevemente apresentadas por Alisson, mesmo assim acredito e compartilho da idéia de um Dawkins demagogicamente ateísta. A teoria evolucionista de fato tem se mostrado adequada e cientificamente modificada afim de se tornar cada vez mais explicativa no que diz respeito à vida, à biologia (no amplo sentido). Porém, ela não consegue afirmar a origem da matéria (questão a meu ver relevante), e até então, a origem de informação nova. As microevoluções (p.ex. as adapatações genéticas de insetos quanto à inseticidas) são caracterizadas por rearranjos genéticos, rearranjos de informação e não criação de informação “nova”, o que seria necessário ao surgimento de novos membros e/ou até novas criaturas. Enfim, existem lacunas importantíssimas a serem preenchidas. O criacionismo “explica” essas duas questões em termos de fé documentadas em seu texto magno, a bíblia. Oras bolas, são louváveis os avanços do evolucionismo, mas não ao ponto de se caracterizarem fato pronto e acabado, ensejando a demonização dos que se opõe a ele. Convenhamos, o próprio discurso comparativo: “criacionista” equivalente a “negacionista do holocausto”, é demagógico em si. O lance é ser cientificamente sério e não um fanfarrão.

    Aproveito para parabenizar meu amigo Vinícius (Tovarich, rs) pelo blog. Muito bom!

  10. 11 vinicius luiggi
    novembro 8, 2010 às 10:44 am

    Allison lamento te dizer isto mas vc é um bosta qualquer.Eu nasci numa familia crista ouvi historias sobre deus a vida inteira e até mesmo me crismei mas com o tempo uma parte das pessoas desenvolve uma capacidade de questionar a qual lamento mas vc não possui é triste saber que tantos outros como voce negam a logica que naturalmente deveria gritar dentro de cada pessoa. mais uma coisa isso serve para todos aqueles que se interresam por teologia tanto ateus quanto crentes NÃO EXISTE VIRUS =).Uma acoisa que é certa a maior parte das pessoas nasce com uma tendencia natural a acreditar no que lhe dizem sem precisar de provas para isto não importa o ”por que?” mas sim o ”pra que?”sinceramnete eu ja desisti de convencer qualquer um a se tornar ateu por mas que algumas vezes eu consiga esta vitoria a verdade é que a pessoa se conformou com os meus agumentos e se isto foi suficiente para ela então não tardara para que outro a converta ao crsitianismo novamente aqueles que se tornam ateus verdadeiros que tem consiciencia do motivo pelo qual sõa ateus estes o fazem sozinhos!!!!.

  11. 12 Cícero
    junho 25, 2011 às 6:02 pm

    Ora a complexidade de uma célula viva com seus filamentos de DNA tem informação que excede a enciclopédia britânica, pois são estruturas complexas e especificas e mudanças radicais de uma espécie para outra por seleção, exigiriam mudanças dramáticas em todo o sistema do animal, como exemplo de peixe para anfíbio ou réptil: a oxigenação do sangue não combinará com o desenvolvimento do pulmão, passagem nasal e garganta, reflexos do cérebro, musculatura torácica, membranas, olhos, pés para o novo ambiente.

    Uma célula é uma verdadeira cidade bem organizada o que requer uma Causa Inteligente. Mas dizem que isto ocorre por processos e mecanismos naturais. Contudo, quem fez, como, e porque ordenou estas leis naturais tão inteligentes! Seria a mera casualidade? Quem ordenou aos ribossomos e RNA para fabricarem proteínas nas células? De um ser de apenas uma célula (unicelular) poderiam ter vindo todos os complexos e variados animais e plantas??

    E será que a evolução poderia gerar toda a capacidade intelectual/sentimental que só o homem possui; com um poderoso e complexo cérebro que “evoluiu” em apenas alguns milhões de anos?? Muito superior a qualquer computador de hoje.
    Se a TE fosse verdade deveriam haver trilhões e trilhões de fósseis em transição por aí; mostrando claras estruturas modificando para outra espécie diferente. Mas NENHUM foi achado ainda com estas características!!

    Até o profeta do ateísmo Richard Dawkins, chama a biologia de “o estudo de coisas complicadas que dão a aparência de terem sido CRIADAS com algum propósito.” O Relojoeiro Cego p.1,18.

    Abaixo ele tentando justificar o injustificável, é patético:
    http://www.youtube.com/watch?v=vnuY11H1zxc&feature=related

  12. 13 Cícero
    julho 19, 2011 às 9:17 pm

    Acontece que a descrição está em perfeita harmonia com o processo bem conhecido hoje.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: