Arquivo para junho \08\UTC 2014

08
jun
14

Paul Krugman – Pontos Sem Volta

Paul Krugman

Paul Krugman

Recentemente duas equipes de pesquisadores, trabalhando separadamente e usando metodologias diferentes, chegaram a uma conclusão alarmante: A camada de gelo do Atlântico Oeste está condenada. O deslizamento da camada em direção ao oceano, e o resultante aumento dos níveis do mar, deverão acontecer vagarosamente. Mas é irreversível. Mesmo se tomarmos ações drásticas para limitar o aquecimento global agora mesmo, este processo de mudança ambiental em particular alcançou um ponto do qual não há volta.

Enquanto isso, o Senador da Florida, Marco Rubio — cuja boa parte do estado agora está condenado a submergir nas águas — resolveu se somar à questão climática. Alguns leitores podem se lembrar que, em 2012 o Sr. Rubio, perguntado sobre quantos anos acreditava ter a terra, respondeu “Eu não sou cientista, cara.” Desta vez, entretanto, ele confiantemente declarou que o avassalador consenso sobre as mudanças climáticas é falso, apesar de que em uma entrevista posterior foi incapaz de citar quaisquer fontes que justificassem seu ceticismo.

Então por que o senador faria tal declaração? A resposta é que, assim como aquela camada de gelo, a evolução intelectual do seu partido (ou, mais precisamente, seu retrocesso) alcançou um ponto sem volta, no qual as demonstrações de adesão a falsas doutrinas se tornou uma insígnia.

Continue lendo ‘Paul Krugman – Pontos Sem Volta’

Anúncios
08
jun
14

Paul Krugman – O fator Piketty

Paul Krugman

Paul Krugman

“O Capital no Século XXI,” o novo livro escrito pelo economista francês Thomas Piketty, é um fenômeno digno do nome. Outros livros sobre economia foram campeões de venda, mas a contribuição do Sr. Piketty é pesquisa acadêmica séria, do tipo que muda paradigmas de uma forma que a maioria dos best sellers não chegam nem perto. E os conservadores estão aterrorizados. Isso explica o alerta de James Pethokoukis do Instituto Empreendedor Americano na revista National Review de que a obra de Piketty deve ser repercutida, pois, de outra forma, ela “se espalhará entre os heresiarcas e remodelará o panorama econômico sobre o qual todas as batalhas sobre políticas públicas serão travadas.”

Bem, boa sorte nessa empreitada. A coisa mais impressionante sobre este debate até agora, é que a direita pareceu-me incapaz de elaborar qualquer tipo de contra-ataque significativo à tese do Sr Piketty. Ao contrário, as respostas não vão além de simples rotulações — em particular, afirmações de que o Sr. Piketty é um marxista, assim como o são qualquer pessoa que considere a desigualdade de renda e riqueza um assunto importante.

Voltarei às taxações em um minuto. Primeiro vamos falar sobre porque “O Capital” está tendo um impacto tão grande.

Continue lendo ‘Paul Krugman – O fator Piketty’

08
jun
14

Paul Krugman – A Suécia virou um Japão

Paul Krugman

Paul Krugman

Há três anos atrás a Suécia era considerada um modelo sobre como se lidar com a crise. As exportações do país foram duramente atingidas pela crise no comércio mundial mas voltaram a crescer; seus bancos bem regulados expulsaram a tempestade; seus fortes programas de previdência social deram apoio à demanda por consumo; e, ao contrário de boa parte da Europa, ela possuía sua própria moeda, dando-lhe sua necessária flexibilidade. Em meados de 2010 os resultados estavam aparecendo, e o desemprego estava caindo rápido. A Suécia, declarou o The Washington Post, era a “estrela da recuperação econômica.”

Então surgiram os sadomonetaristas.

Continue lendo ‘Paul Krugman – A Suécia virou um Japão’

08
jun
14

Joseph Stiglitz – Os chamados acordos de livre comércio deveriam promover o interesse público, não o privado

joseph_stiglitz_140x140Apesar das rodadas de negociação da Organização Mundial do Comércio em Doha não terem dado resultado desde que foram lançadas há quase doze anos atrás, outra rodada de negociações já está sendo planejada. Dessa vez as negociações não serão realizadas de forma global e multilateral. Em vez disso dois enormes acordos regionais – um deles transpacífico, e o outro transatlântico – serão negociados. As próximas rodadas terão mais sucesso?

A Rodada de Doha foi bombardeada pela recusa dos EUA em eliminar seus subsídios agrícolas – uma condição sine qua non para qualquer rodada de negociação que se preze, dado que 70% das pessoas nos países em desenvolvimento dependem direta ou indiretamente da agricultura. A posição dos EUA foi realmente sufocante, dado que a OMC já havia decidido que os subsídios dos EUA à produção de algodão – dados a menos que 25,000 fazendeiros dos mais abastados – eram ilegais. A resposta de Washington foi a de subornar o Brasil, país que trouxe a queixa, a não dar prosseguimento à questão, deixando à mercê milhões de cotonicultores na Índia e na África Subsaariana, que sofrem de uma depressão nos preços em razão da generosidade americana a seus ricos fazendeiros.

Continue lendo ‘Joseph Stiglitz – Os chamados acordos de livre comércio deveriam promover o interesse público, não o privado’