Arquivo para dezembro \17\UTC 2014

17
dez
14

Paul Krugman – Sobre a negação da desigualdade

1º de Junho de 2014

Paul Krugman

Paul Krugman

Há um tempo atrás publiquei um artigo intitulado “Os Ricos, a Direita e os Fatos,” no qual descrevi esforços politicamente motivados a negar o óbvio — o agudo aumento da desigualdade nos EUA, principalmente no pico da escala de renda. Talvez não o surpreenda ouvir que encontrei uma série de erros estatísticos sendo praticados nos mais altos escalões.

Talvez também não o surpreenda saber que não mudou muita coisa. Os suspeitos de sempre não apenas continuam a negar o óbvio, mas continuam destilando os mesmos argumentos desacreditados: A desigualdade na verdade não está aumentando; O.K., ela está aumentando mas isso não importa porque temos muita mobilidade social; de qualquer forma, é uma coisa boa, e qualquer pessoa que sugira que isso é um problema só pode ser marxista.

O que talvez o surpreenda seja o ano em que publiquei este artigo: 1992.

O que me traz à última rixa intelectual, deflagrada por um artigo escrito por Chris Giles, editor do caderno de economia do jornal The Financial Times, atacando a credibilidade do best seller de Thomas Piketty o “Capital no Século XXI.” Giles declarou que a obra do Sr. Piketty comete “uma série de erros que comprometem seus resultados,” e que na verdade não há evidências do aumento da concentração de renda. E como praticamente todo mundo que já seguiu essas controvérias através dos anos, eu pensei, “Lá vamos nós novamente.”

Continue lendo ‘Paul Krugman – Sobre a negação da desigualdade’

Anúncios
17
dez
14

Nicolas Walter – Ação Anarquista

Nicolas Walter

(in Sobre o anarquismo, 1969)

Nicolas WalterA diferença entre teorizar sobre o anarquismo e colocá-lo em prática implica em uma mudança de estrutura. O típico grupo de discussão ou propaganda, aberto à participação de estranhos e à vigilância das autoridades e que tem como base o fato de que cada um pode fazer o que quiser e não fazer o que não quiser tornar-se-á mais exclusivo e formal. Este é um momento de grande perigo, já que uma atitude demasiado rígida levará ao autoritarismo e ao sectarismo, e a indulgência resultará em confusão e irresponsabilidade. É um momento de perigo ainda maior também porque, no momento em que o anarquismo passa a ser um assunto sério, os anarquistas passam a representar uma ameaça real e a verdadeira perseguição começa.

A forma de ação anarquista mais comum é fazer com que a agitação provocada por uma determinada questão se transforme em participação ativa numa campanha. Esta tanto poderá ser reformista, tentando mudar alguma coisa sem alterar todo o sistema; ou revolucionária, pregando uma transformação do próprio sistema; poderá ser legal, ilegal ou ambas; violenta, pacífica ou apenas não-violenta. Poderá ter possibilidades de sucesso ou ser, desde o início, uma causa perdida. Os anarquistas tanto poderão ter grande influência, e até mesmo dominar a campanha, quanto ser apenas um dos grupos participantes.

Continue lendo ‘Nicolas Walter – Ação Anarquista’

14
dez
14

Emma Goldman – O Fracasso da Revolução Russa

Emma Goldman


(In My Further Disillusionment with Russia, 1924)

Emma GoldmanFicam agora bem claros os motivos que fizeram com que a Revolução Russa, tal como foi conduzida pelo Partido Comunista, fosse um fracasso. O poder político do partido, organizado e centralizado no Estado, procurou manter-se utilizando todos os meios de que dispunha. As autoridades centrais tentaram fazer com que o povo agisse de acordo com modelos que correspondiam aos propósitos do Partido, cujo único objetivo era fortalecer o Estado e monopolizar todas as atividades econômicas, políticas e sociais e até mesmo as manifestações culturais. A revolução tinha objetivos totalmente diferentes pelas suas próprias características, era a negação do princípio da Autoridade e da centralização. Ela lutava para alargar ainda mais os meios de expressão do proletariado e multiplicar as fases do esforço individual e coletivo. Os objetivos e as tendências da Revolução eram diametralmente opostos àqueles do Partido Governante.

Continue lendo ‘Emma Goldman – O Fracasso da Revolução Russa’

14
dez
14

William Godwin – Educação Pela Vontade

(in The Enquirer, 1797)

William GodwinA liberdade é a mais desejável de todas as vantagens sub-lunares. Seria, portanto, de bom grado que eu transmitiria conhecimentos sem infringir, ou tentando violentar o menos possível, a vontade e o julgamento da pessoa a ser instruída.

Repito: desejo despertar num determinado indivíduo a vontade de adquirir conhecimentos. A única forma capaz de despertar num ser sensível a vontade de realizar um ato voluntário é exibir-lhes os motivos que justificam este ato.

Há duas espécies de motivos: os intrínsecos e os extrínsecos. Os motivos intrínsecos são aqueles que surgem da própria natureza inerente ao objeto recomendado. Os extrínsecos são aqueles que, não tendo uma ligação constante ou inalterada com a coisa recomendada, estão associados a ela ou por acidente ou pelo desejo de um indivíduo.

Continue lendo ‘William Godwin – Educação Pela Vontade’

13
dez
14

Noam Chomsky – Os países ricos estão nos conduzindo ao desastre

Chomsky sobre a NSA, a destruição do planeta e outros

 

29 de Dezembro, 2013  |

Noam Chomsky

Em seu 85º ano, o intelectual político e linguista Noam Chomsky se mantém um polímata ferozmente ocupado e um ativista dedicado. De fato, sua agenda é tão exigente que nossa entrevista teve que ser marcada com um bom número de semanas de antecedência e o meu tempo ao telefone com o docente do MIT foi intercalado entre outra entrevista à imprensa e outro de seus muitos compromissos.

Felizmente, falar com Chomsky em dezembro deu a oportunidade de olhar o ano em retrospectiva — um ano de revelações e ofuscamentos relacionados à atividade do governo dos EUA.

Chomsky contou a Natasha Lennard suas opiniões sobre o caminhão de vazamentos da NSA, o futuro dos meios de comunicação, a neoliberalização do sistema educacional e os princípios de funcionamento dos governos. E, é claro, o caminhar do planeta em direção à sua própria extinção.

Continue lendo ‘Noam Chomsky – Os países ricos estão nos conduzindo ao desastre’

13
dez
14

Michael Shermer – A Destruição Mútua Assegurada Continuará Impedindo a Guerra Nuclear?

O impedimento proíbe a total abolição das armas nucleares?

1º de Junho de 2014 |Por Michael Shermer

Michael Shermer

Quando eu frequentava o ensino fundamental nos anos 1960, éramos periodicamente submetidos a exercícios de “agachar e cobrir” sob a fantasia risível de que nossas débeis carteiras nos protegeriam de uma explosão nuclear sobre Los Angeles. Quando eu era estudante na Universidade Pepperdine em 1974, o pai da bomba de hidrogênio, Edward Teller, falou em nosso campus sobre a eficácia da Destruição Mútua Assegurada (MAD) para impedir a guerra. Ele declarou que, em razão do acúmulo de armas, nenhum dos lados teria nada a ganhar por iniciar um ataque por causa da capacidade, que ambos possuíam, de mandar o outro de volta ao Paleolítico.

Até então a DMA tem funcionado. Mas, conforme Eric Schlosser revela em seu fascinante livro Command and Control, lançado em 2013, muitas vezes faltou pouco, fosse na crise dos mísseis cubanos, fosse na explosão do míssil Titan II na cidade de Damasco, Ark. E filmes populares tais como Dr. Fantástico, de Stanley Kubrick, lançado em 1964, demonstraram bem como a coisa toda podia acabar, conforme o General Jack D. Ripper fica desvairado ao simples pensamento de uma “conspiração comunista para enfraquecer e contaminar todos os nossos preciosos fluidos corporais” e ordena um ataque nuclear contra a União Soviética.

Continue lendo ‘Michael Shermer – A Destruição Mútua Assegurada Continuará Impedindo a Guerra Nuclear?’

13
dez
14

Noam Chomsky – A União Soviética Contra o Socialismo

Our Generation, Primavera/Verão, 1986

Noam Chomsky

Quando as duas maiores máquinas de propaganda do mundo concordam sobre uma doutrina, um esforço intelectual para escapar de seus grilhões se faz necessário. Uma dessas doutrinas é que o modelo de sociedade criado por Lênin e Trotsky e mais tarde transformado por Stálin e seus sucessores possui relação com o socialismo em algum sentido significativo ou histórico. De fato, há uma relação, que é a relação de contradição.

É bastante claro por que as duas maiores máquinas de propagandas insistem nesta fantasia. Desde sua origem, o Estado Soviético tem tentado subjugar as forças da sua própria população, e das pessoas oprimidas de todos os lugares do mundo, a serviço dos homens que se aproveitaram da agitação popular russa em 1917 para capturar o poder do Estado. Uma das maiores armas ideológicas empregadas para este fim foi a reivindicação de que os dirigentes do Estado estão guiando a sociedade e o mundo em direção ao ideal socialista; uma impossibilidade, como qualquer socialista — certamente qualquer marxista sério — deveria ter logo entendido (muitos o fizeram), e uma mentira de dimensões avassaladoras como a história revelou desde os primeiros dias do Regime Bolchevique. Os capatazes tentaram conquistar legitimidade e apoio ao explorar a aura dos ideais socialistas e o respeito que lhe é devido, para dissimular sua própria prática cotidiana à medida em que destruíam qualquer vestígio de socialismo.

Continue lendo ‘Noam Chomsky – A União Soviética Contra o Socialismo’