Arquivo de maio \11\UTC 2015

11
maio
15

Crimethinc – Por que não fazemos propostas

ingsocDe Occupy a Ferguson, sempre que surgem movimentos populares, os comentaristas os acusam de não possuírem demandas concretas. Por que os descontentes não resumem os seus objetivos em pautas coerentes? Por que não elegem representantes que possam negociar com as autoridades de forma a fomentar uma agenda concreta através dos canais institucionais adequados? Por que estes movimentos não se expressam em uma linguagem comum, usando códigos consagrados?

Frequentemente isso não passa de retórica dissimulada daqueles que gostariam que os movimentos se limitassem a demandas bem comportadas. Quando perseguimos objetivos que eles preferem não reconhecer, nos acusam de sermos irracionais ou incoerentes. Compare a Marcha Popular pelo Clima do último ano, que juntou 400.000 pessoas em defesa de uma mensagem simples ao mesmo tempo em que fazia tão pouco para protestar que tornou desnecessário às autoridades realizar uma prisão sequer. Quando foi a última vez que 400.000 pessoas se reuniram em Nova York sem que a polícia prendesse alguém? Aquilo foi mais uma válvula de escape do que um protesto propriamente dito, mais uma forma de pacificação ativa — uma forma de diminuir os atritos entre os protestantes e a ordem à qual eles se opunham – com as revoltas ocorridas em Baltimore em Abril de 2015. Muitos louvaram a Marcha Pelo Clima enquanto tachavam as revoltas de Baltimore como irracionais, inconscientes e ineficazes; ainda assim a Marcha Pelo Clima teve pouco impacto concreto, enquanto as revoltas de Baltimore obrigaram o Procurador Geral a formalizar acusações contra policiais, algo praticamente sem precedentes. Você pode apostar que se 400.000 pessoas respondessem às mudanças climáticas da forma como milhares responderam ao assassinato de Freddie Gray, os políticos mudariam suas prioridades.

Continue lendo ‘Crimethinc – Por que não fazemos propostas’